Gentil olhar sorridente

Os negros fios de cabelo são finos e lisos. Talvez por praticidade ou para se adaptar ao calor, também são curtos. Eles estão sempre muito bem cuidados, mostrando a preocupação da mulher de cerca de cinquenta anos com sua aparência. A franja, por sua vez, parece atrapalhar quando cai sobre os olhos, que explicitam sua descendência oriental.

Pequenos, os pretos olhos aparentam estar falando. Eles são alegres, certamente riem. A senhora tem uma aparência feliz e expressa isso através de seu sorriso. Os dentes são pequenos, proporcionais à boca e aos finos lábios. A pele bem cuidada e lisa se assemelha a de uma boneca japonesa de porcelana.

Nos braços, ela carrega – como se fossem seus entes queridos – cerca de dois livros e uma pasta incolor de plástico. Talvez seja professora ou simplesmente esteja fazendo um curso. O fato é que ela parece adorar o material que traz consigo, assim como tudo o que faz na vida.

Além disso, ela leva uma pequena bolsa preta a tiracolo. Deve estar leve, já que não parece ter dificuldades para carregá-la. Ou talvez esteja pesada, mas a senhora é bastante forte e não deixa transparecer os problemas que enfrenta. Os sapatos pretos combinam com a bolsa. Eles ajudam a fazer com que a baixa japonesa ganhe notoriedade. Sem o salto da plataforma, ela não seria a mesma.

Nos braços, as pulseiras prateadas caem sutilmente e combinam com o relógio que brilha quando os raios de sol refletem. Os poucos ornamentos mostram que a mulher é seletiva e sabe exatamente o que quer.

A japonesa deve contrariar a maior parte de seus contemporâneos, já que fala bastante. Ela é articulada, conversa com sua amiga e a ouve atentamente. Mais ouve que fala. Durante o diálogo, fala baixo, olha para o chão e ri discretamente. Ela deve ser mãe, já que a figura materna é sempre uma boa ouvinte e conselheira.

O figurino cai perfeitamente em seu magro corpo. Ela se arruma delicadamente. Não chama a atenção com roupas extravagantes, mas também não passa despercebida. A roupa é simples, porém ressalta o jeito meigo da mulher.

Ela veste blusa de manga branca, como quem quer tranquilidade para se recuperar da correria do cotidiano. A calça jeans azul oferece um conforto maior para a senhora que, como muitas outras, adaptou-se às condições do capitalismo e trabalha fora de casa, estressa-se, pega ônibus e tem diversas preocupações, todas camufladas por um gentil sorriso.

Anúncios

Troque seu lixo por… Maquiagem, produtos de limpeza e até cadeira de rodas!

Sabia que se você juntar alguns produtos que iriam para o lixo pode fazer trocas interessantes para você e para o meio ambiente? Cada vez mais, existe a preocupação, para dar um destino mais apropriado aos restos que produzimos ao longo do dia. Só em São Paulo são produzidas, em média, 18 toneladas de lixo por dia! É muita coisa e a maior parte ainda vai para aterros. Lembrando que a Política Nacional de Resíduos Sólidos prevê a desativação de aterros em 2014.

Bom, vamos, então, aos produtos que você pode juntar e trocar por outros. Se você toma muito refrigerante de latinha, pode passar a guardar os anéis. A concessionária CRR Via-Oeste tem a campanha chamada ‘Lacre Solidário’, em que anéis de latinhas podem ser trocados por cadeiras de rodas. São necessárias 140 garrafas pet cheias para barganhar. Ok, onde você vai colocar tanta pet?

cadeiraRealmente, dentro de casa, fica um pouco complicado, mas você pode levar algumas garrafas para instituições que fazem campanhas, visando as cadeiras de rodas do ‘Lacre Solidário’. Em Sorocaba, por exemplo, a Creche Especial Maria Claro pediu ajuda da população para juntar as 140 garrafas pet. Quando todas estiverem cheias, é muito fácil: a troca pode ser feita em postos de pedágio ou na sede da CRR, no km 22 da Rodovia Castello Branco, na região de Barueri.

Outra campanha é a ‘Junte Óleo’, em que se troca uma garrafa pet cheia de óleo de cozinha por duas barras de sabão ecológico. O óleo de cozinha é recolhido e encaminhado pelo Instituto Triângulo para reciclagem. Para guardar o óleo de cozinha da panela e não jogá-lo pelo ralo é fácil:

1- Espere o óleo esfriar na panela;

2- Com a ajuda de um funil, despeje o óleo diretamente na garrafa PET;

3- Em seguida feche a garrafa PET com a tampa, assim ela não exala nenhum tipo de
odor e a garrafa pode ser guardada em qualquer local da cozinha sem atrair insetos,
ratos ou baratas;

4- Com um guardanapo de papel, limpe a panela para depois lavá-la. Repita o procedimento com funil e coloque este guardanapo no lixo orgânico.

O óleo de cozinha é altamente poluente, contamina água, solos e facilita enchentes. Enchentes? Sim, o óleo tem a capacidade de impermeabilizar o solo, dificultando o escoamento da água das chuvas. Se você jogar, pelo ralo da pia da cozinha, muitas vezes o óleo pode ficar retido na tubulação, atraindo animais como ratos e baratas. Nos rios, por exemplo, ele forma uma camada impermeabilizante na superfície que impede a passagem da luz do sol, comprometendo o oxigênio e, consequentemente, causando a morte dos peixes e da vegetação aquática. Para saber onde fica o ponto de troca mais perto de sua casa, acesse o site do projeto.

batonsSe você quer trocar seu lixo por maquiagem também pode! Se você é homem, continue lendo e incentive sua mãe, namorada, esposa, irmã ou amigas. A MAC tem um programa chamado ‘Back to MAC’, em que você leva seis embalagens de produtos da empresa de cosméticos e troca por um batom! A empresa se compromete a reciclar as embalagens e a partir da matéria prima fazer novas embalagens.

Gostou? Sabe de mais programas desse tipo em que você troca lixo por produtos? Então, mande suas dicas para nós e compartilhe essa ideia sustentável!

5 bons apps de entretenimento para seu divertimento

Depois da série de 5 apps para organizar sua vida, hoje é a vez do divertimento (e da rima no título). Nesse post vou dar umas dicas de aplicativos para seu dispositivo móvel para aliviar aquele tédio de sala de espera do médico. Só espero que ele tenha WiFi, certo? 😉

1. Jasmine

Se você, assim como eu, não gosta do aplicativo oficial do YouTube e também não quer entrar no navegador do celular/tablet para ver um simples vídeo, seus problemas acabaram. De graça e sem propagandas, o único defeito dele é existir apenas para iOS.

Ele faz tudo: procura os vídeos, te dá informações sobre os canais, possibilidade de comentar e dar o like/dislike, caso você tenha uma conta no YouTube, ver o trending, os vídeos mais populares… Enfim, tudo que um usuário comum gosta de fazer, e com gestos muito fáceis e instintivos. Você pode inclusive dizer ao app em qual qualidade você quer carregar os vídeos na rede WiFi ou na rede celular, o que é muito útil caso você tenha limite de planos.

Recomendadíssimo. E se você for um bom samaritano, pode comprar o app por dois míseros dólares do sujeito para ter o parental control, funcionalidade que eu nem sei bem para que serve, já que o próprio YouTube limita razoavelmente bem o conteúdo que vai para o site. É mais para ajudar o sujeito, mesmo.

2. Netflix (site)

Você provavelmente já deve ter ouvido algum amigo falar do Netflix ou visto a propaganda com a voz do Goku na televisão e se perguntado se realmente valia a pena, se o streaming dos vídeos seria feito sem travar… Bem, eu tinha as mesmas dúvidas, dei uma pesquisada e resolvi tentar para ver qualé que é.

Bom, eu gostei demais. Ainda estou naquele mês grátis de experimentação e pretendo continuar assinando depois que ele acabar. O custo é de R$ 16,90 por mês por um plano que permite que até dois aparelhos toquem vídeos ao mesmo tempo, mas também tem um que custa um pouco mais, mas que permite que até quatro aparelhos toquem ao mesmo tempo.

Notem que eu usei a palavra ‘aparelhos’ e não ‘celular’ ou ‘tablet’. Essa é uma das ótimas características do Netflix: universalidade. Você pode assistir pelo navegador, por um aplicativo para Windows 8, por celulares, tablets, seu console e até em algumas Smart TVs. O melhor de tudo é que ele sincroniza onde você parou, o que você já assistiu até agora e te sugere filmes, séries e documentários baseado naquilo que você já assistiu. Ah, ele também te possibilita criar perfis diferentes dentro do sistema. Assim, você cria uma lista diferente da da (não encham: está certo) sua mãe, namorada, irmão, etc.

O catálogo não é comparável ao americano, mas, para meu uso, está bom. Você não vai encontrar filmes que acabaram de sair do cinema, mas tem obras recentes e outras nem tanto. Ainda assim, acho que está bom para a maioria dos usuários comuns. Vale lembrar que os filmes não ficam lá para sempre, então é sempre bom não esperar demais para ver algo. Li em algum lugar que a permanência mínima de um filme é 1 ano, e que alguns ficam mais de acordo com as visualizações e classificações dos usuários.

Uma das dúvidas que eu tinha era quanto à conexão – seria suficiente para fazer o streaming de boa? A minha é uma NET 10 Megas (download a 1MB/s), e vai fácil. Às vezes demora uns dois minutos para atingir o 1080 Super HD, que é a qualidade máxima, mas na maioria das vezes chega lá bem rápido.

Recomendadíssimo!

3. Crackle (site)

Bom, para encurtar a história, o Crackle é um Netflix, mas de graça e que exibe propaganda no meio dos filmes e séries. O catálogo é bem menor e bem menos variado, e a maioria dos filmes é antiga e bem estilão Sessão da Tarde. Com uma boa peneirada, você pode achar algo bom aqui e ali, mas não é nada demais.

O único ponto bom é que ele é universal e funciona em praticamente qualquer dispositivo. Porém, acredito que sem um conta, você não pode ajustar a qualidade dos vídeos nem fazer muita coisa em relação às propagandas, que chegam a ser irritantes.

É muito mais um complemento caso você realmente esteja desesperado sem Netflix do que qualquer outra coisa.

4. VLC (site)

Bom, sem muito mistério aqui. Como a maioria deve saber, o VLC é um reprodutor de vídeos muito útil pelos seguintes motivos: toca basicamente qualquer coisa e tem suporte para legendas. Bacana, não?

Isso você já sabia. O que você talvez não saiba é que ele existe também para dispositivos móveis – e é aí que tudo fica melhor. Você tem AQUELE filme ou AQUELA série que não tem em nenhum serviço e não tem jeito: você recorre a sítios corsários para saciar sua vontade de assistir seus personagens favoritos entrando numa confusão da pesada!

É muito fácil utilizar o VLC – no iOS, por exemplo, para adicionar um vídeo, é só arrastá-lo no iTunes junto com a legenda (que deve ter o mesmo nome) e voilà: tudo funcionando certinho. Maravilha. E recomendadíssimo.

5. IMDb (site)

Esse serve como um complemento para tudo que já escrevi aqui. O IMDb, para quem não conhece, é o Internet Movie Database, que contém informações sobre praticamente todo ator, atriz, série, filme e qualquer outra coisa que você queira procurar relacionada ao mundo cinematográfico e televisivo.

Ele tem um aplicativo bem fácil de usar, sem maiores problemas. Algumas funções só estão disponíveis para quem tem conta lá, mas para o usuário comum, o básico é suficiente. Afinal, lembrar quem é o Gandalf ou o bom e velho 007* é difícil, né?

E aí, gostou? Faltou algum essencial? Deixe sua opinião!

(*Só para constar, existe apenas uma resposta certa: PIERCE BROSNAN.)

Prestíssimo* paulistano

Passa vida, vida passa, passa tempo, tempo passa e espere: seis horas acordar, seis e cinco despertar, sete horas trabalhar, trabalho, trabalho, trabalho:

– Alô? Sim, reunião em cinco minutos, ok.

Corre, corre, reunião em cinco minutos, cinco minutos! Que digo!? C – I – N – C – O minutos?! Não acabei o projeto! Corre, corre, tempo passa, corre, corre, vida passa. PARE! Não encontro nem aqui e nem ali, procurar, procurar, PROCURAR: escrivaninha, corredor, onde está? Onde anda a liberdade? Cadê ela? Está aí, andando, caminhando, fugindo de mim. Ah, se eu pudesse conquistá-la, ah, se eu pudesse! Com certeza, proclamaria a independência do horário, da correria, dos constantes cinco minutos. Oh, cinco minutos, meu Deus! Agora são quatro: acabar o projeto, acaba, acaba, acaba, não acaba… Acabou! Corre, anda:

– Elevador! Sala de reunião, por favor. Obrigada!

trabalho_3

Corredor lotado, anda logo, não para, vai, vai, v-a-i… Ah, que alívio, cheguei! Acabou, terminou, projeto aprovado. Treze horas, pegar as crianças. Que trânsito, BIBI, liberdade, independência, que caos, CHEGA! Ah, eu não aguento, hora de almoçar. Almoçar?! Isso aqui está mais para engolir, então engole logo porque são quinze horas. Mercado, compras, banco, lavanderia, trabalho, trabalho, trabalho, trânsito, que inferno! Que rapidez, 16, 17, 18, 19, ah, finalmente, 22 horas!

“Nossa, NADA, não fiz nada hoje, o dia não rendeu!” Vinte e duas horas, dormir, mas e aquele projeto? Pensa, pensa, pensa no sonho. Só pode ser pesadelo.

Bip-bip-bip-bip, passa vida, vida passa, passa tempo, tempo passa e espere: seis horas acordar. De novo? Mas passou tão rápido! Nem deu para descansar. Ah, chega de enrolar que hoje o dia é longo.

NÃÃOOO, assim não dá, quero minha liberdade, será que vou demorar a encontrar? Creio ter encontrado, no atestado de óbito: infarto do miocárdio. Apenas mais uma vítima, mas não temos tempo, às sete explode em multidão, todos correm para São Paulo crescer. Então, vão bora, vão bora, olha a hora, vão bora, vão bora.

*Andamento musical muito rápido, com toda a velocidade e presteza. 

5 apps para organizar sua vida

Como sou um sujeito que gosta de tecnologia, gostaria de compartilhar cinco aplicativos que alguns talvez nem saibam que existam e que me ajudam muito a organizar leituras, compromissos e outras coisas mais.

estantes

Espero que os exemplares estejam organizados em ordem alfabética

1. Pocket (site)

Falei dele há pouco tempo, neste post. É um dos aplicativos mais úteis e versáteis que tenho instalado. Ele é universal e funciona em navegadores, celulares, tablets, kindles e qualquer outro dispositivo móvel que você utilize.

Basicamente, o que ele faz é salvar todo tipo de texto para você ler depois, quando tiver mais tempo. O melhor de tudo é que ele tira toda a formatação do texto e deixa em uma fonte só, que é customizável em seu tamanho e tipo. Ou seja, deixa você concentrado de fato na leitura e na visualização de fotos e vídeos, sem precisar espremer os olhos e fazer esforço para ler. Uso muito quando me deparo com um texto longo que requer tempo/concentração e no momento estou no trabalho ou fazendo outra coisa.

Além disso, ele permite que você coloque tags, favorite e arquive o texto para leitura posterior. Bom para quem, assim como eu, gosta de preservar textos que considera ótimos. 🙂

2. Calendário

Parece óbvio, mas não é. Muita gente não se adapta a agendas de papel e acaba desistindo depois de uma semana. Uma agenda eletrônica facilitaria muito a vida, né?

Disponível em todo tipo de sistema, o calendário é extremamente útil para manter seus compromissos organizados. O que uso é o Google Calendar, pois posso acessá-lo no navegador e ele sincroniza com meus dispositivos móveis. Ele também permite que você convite outras pessoas que tenham Gmail para os seus eventos e customize os alarmes para avisá-lo dias, horas ou minutos antes do seu compromisso.

3. 30/30 (site)

O 30/30 é um aplicativo desconhecido de muitos, mas ele é interessante para quem tem problemas com procrastinação em casa ou no trabalho. Nele você pode criar tarefas e determinar o tempo em que serão realizadas. Quando chegar no fim, um alarme soará para alertá-lo de que o tempo para aquela tarefa acabou e está na hora de você iniciar a próxima.

A interface é um pouco cheia para o meu gosto e alguns gestos acabam atrapalhando na hora de criação e edição das tarefas. Apesar disso, ainda é um bom aplicativo, ainda mais quem tem problemas para concluir trabalhos. Pena que só tem para iOS.

4. Evernote (site)

Provavelmente o mais conhecido de todos, o Evernote funciona como um híbrido de Dropbox com Google Docs. Você pode subir arquivos, inclusive sons e fotos, mas o foco principal dele é em texto. O bônus é que você pode customizar e colocar tags nas suas notas e criar cadernos diversos para, por exemplo, suas disciplinas na faculdade. Mas também dá para planejar viagens, organizar receitas… enfim, praticamente tudo. E o melhor, é universal e sincroniza via web!

O ponto negativo dele é que existe um limite de upload por mês, mas se você trabalha com textos, como nós jornalistas, não terá grandes problemas em relação a isso. E  também existem outras plataformas para upar sons e fotos, como o Google Drive (muito útil também, aliás).

5. IFTTT (site)

O If This Then That (IFTTT) é um aplicativo mais automatizador de tarefas do que propriamente um organizador. Ele é relativamente simples de se usar e pode ser uma mão na roda para quem tem múltiplas contas em serviços diferentes.

Dentro do app você pode criar “receitas” de automatização para determinado conteúdo. Por exemplo, se você tira uma foto, ele pode ser postada no Instagram e no Facebook automaticamente e ser enviada para upload no Dropbox.

É prático e útil para quem gosta de ter menos trabalho quando fizer alguma coisa no celular. Novamente, o ponto baixo é que só tem para iOS por enquanto.

Eaí, gostaram? Faltou algum aplicativo que você use que não está listado? Sugestões sempre são bem-vindas!

Afasta de mim esse cálice

Aprecio muito o trabalho de Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Milton Nascimento, assim como o que conheço de suas lutas políticas contra situações específicas da história do país.

Exatamente: situações históricas. A história da ditadura militar brasileira está diretamente ligada a episódios que envolveram esses artistas. Caetano, por exemplo, foi exilado na Inglaterra, e Chico, na Itália. Se esses dados não forem registrados, irão se perder e, com isso, a história do Brasil também será esquecida.

Em 1973, Chico Buarque e Gilberto Gil participaram de um festival de música, no Anhembi, em São Paulo. Cantaram ‘Cálice’ e Chico teve o microfone desligado. No final da música, o carioca expressou sua indignação: “Estão me aporrinhando muito. Esse negócio de desligar o som não estava no programa. Claro, estava no programa que eu não posso cantar a música nem ‘Anna de Amsterdam’. Não vou cantar nenhuma das duas. Mas desligar o som não precisava não”.

Na canção, a palavra ‘cálice’ é repetida frequentemente, com a intenção de adotar o sentido de ‘cale-se’, referindo-se, portanto, à censura imposta pelos ditadores. São cantadas frases como ‘tanta mentira, tanta força bruta’ e ‘como é difícil acordar calado, se na calada da noite eu me dano’.

Agora, surpreendentemente, os homens que foram calados que querem calar. Chico escreveu para ‘O Globo’ texto em 16 de outubro intitulado ‘Penso eu’, defendendo direito do ‘Rei’ Roberto Carlos de preservar sua vida pessoal e se colocando contra biografias não-autorizadas. Além disso, Chico lamentou ‘pelo autor [Paulo Cesar de Araújo], que diz ter empenhado 15 anos de sua vida em pesquisas e entrevistas com não sei quantas pessoas, inclusive eu. Só que ele nunca me entrevistou’.

No dia seguinte, ‘O Globo’ publicou ‘Chico Buarque pede desculpas a biógrafo de Roberto Carlos’. No texto, há uma foto que comprova o encontro deles e um link que direciona o leitor para uma página com o registro do encontro em vídeo. Só por isso, já senti vergonha por Chico Buarque. Aliás, eu estaria com vergonha até agora.

Por que não biografar? Por que não registrar os melhores momentos da vida de uma pessoa pública? E até os piores, afinal, todos passamos por dificuldades em alguma fase da vida. Por que tentar esquecer? Além das obras, claro, é pela biografia que determinado artista fica imortalizado. Se houvesse um livro com a compilação de dados sobre Chico Buarque, gerações futuras poderiam conhecer, com muito mais facilidade, como foi sua vida, qual sua causa e até mesmo a história de suas composições. ‘Cálice’ ou ‘Apesar de você’ não teriam sentido escritas no Brasil de hoje, mas há trinta, quarenta anos tinham mais que sentido, carregavam lutas e indignação contra o regime vigente.

No domingo, o Fantástico, da TV Globo, veiculou uma entrevista de Renata Vasconcellos com Roberto Carlos. O cantor da Jovem Guarda afirmou que pretende escrever a própria biografia. Não sou a favor de autobiografias. As pessoas tentam amenizar fatos negativos de suas vidas ou simplesmente passam uma borracha nos piores momentos.

Tampouco sou a favor de biografar pessoas que não tenham um legado ou que não tenham contribuído de alguma forma para a sociedade. Sou totalmente contra biografias meramente mercadológicas. Não pretendo desmerecer o trabalho de ninguém, porém será que o Justin Bieber, com menos de 20 anos, merecia uma biografia? Ou Adele? Sou fã da cantora britânica, li sua biografia (ao contrário da do Bieber), mas não gostei. Por mais incríveis que suas histórias pareçam, eles são muito jovens e ainda têm muitas páginas em branco para preencher. Biografias deveriam narrar vidas memoráveis.

Aliás, memorável é a carta que Tom Jobim escreveu a Chico Buarque, em outubro de 1989. (Tom, inclusive, foi muito bem biografado por Sérgio Cabral – o pai do governador do Rio). Manuscrita, a carta começa:

Chico Buarque meu herói nacional
Chico Buarque gênio da raça
Chico Buarque salvação do Brasil

carta ao chico

E em certo ponto enumera: “Chico também não evitou os assuntos escabrosos, sangue, tortura, derrame, hemorragia… Houve um momento em que temi pela tua sorte e te falei, mas creio que o pior já passou”.

Quem diria que aquele Chico, que teve o microfone desligado e tanto lutou contra a censura, quisesse prender os punhos de autores de biografias. Pai, afasta de mim esse cale-se.

Recomendação

Assim como fiz neste post, gostaria de fazer mais uma recomendação. Desta vez em relação ao Vale Cultura do Ministério da Cultura e à impossibilidade de comprar jogos de videogame com o cartão. Falar que videogame não é cultura é de uma ignorância tremenda, e eis o argumento completo que o pessoal do Jovem Nerd, com o qual concordo absurda e brutalmente (a partir dos 7 minutos):

Como vocês viram, existem jogos e jogos, assim como existem revistas e revistas, meios de comunicação e meios de comunicação… Muita gente, assim como eu e o amigo Alexandre Ottoni, aprendeu inglês jogando videogame. Sem falar nos enredos, estratégias empregadas para atingir determinado objetivo ou mesmo saber lidar recursos que o jogo te dá. Enfim, aparentemente isso não te enriquece cultural e intelectualmente. Bom é ficar vegetando na frente da televisão…

“Quando ela dá uma declaração ‘de jeito nenhum’, ela está dando uma declaração implícita da ignorância e obsolescência que ela é.”

Zerou o argumento. Marta Suplicy, faça um favor a nós e a você, dê um /quit e vá fazer outra coisa porque você tá passando vergonha. 😉